Olá, seja bem-vindo (a)!
Segunda-feira, 16 de Setembro de 2019
NOTÍCIAS
23-06-2014 | 13:30
Casas instantâneas à vista
Empresa chinesa criou impressora 3D que conseguiu construir 10 casas em apenas 24 horas.

As impressoras 3D vão ganhando espaço em todos os ramos, inclusive na construção civil. A chinesa WinSun Decoration Design Engineering construiu 10 casas em 24 horas com 4 impressoras gigantes. Veja como funciona a tecnologia

As impressoras 3D fizeram muitos olhos brilhares por terem a capacidade de imprimir objetos, camada a camada. Mas agora, modelos gigantes 'imprimem' até casas. "É isso mesmo?", você pode se perguntar, e a resposta é "sim".

Uma empresa chinesa, por exemplo, desenvolveu uma impressora 3D que tem 6,6 metros de altura, 10 metros de largura e 32 metros de comprimento. Com quatro equipamentos gigantes, conseguiu construir 10 casas em apenas 24 horas. E com concreto reciclado.

Além do mais, a custo reduzido, se comparadas às moradias tradicionais. Para se ter ideia, cada unidade construída tem 200 metros quadrados e custo médio de fabricação de US$ 4.800—algo em torno dos R$ 10 mil. A empresa levou 12 anos para desenvolver a impressora e gastou mais de R$ 9 milhões.

Segundo a engenheira civil da Faculdade de Engenharia e Inovação Técnico Profissional (Feitep) Raquel Gavassi Ricciardi, uma impressora 3D funciona, basicamente, com a construção do molde do objeto em um software virtual. Logo em seguida, a impressora recebe as informações do programador, que calcula a quantidade de material necessário e o tempo estimado para ficar pronto.

"A impressora trabalha a partir da deposição do material em camadas sobre camadas, guiados por um software ou programa específico ao fazer a leitura de um modelo CAD 3D (programa utilizado por engenheiros para projetar construções)", explica Raquel.

Ela diz que o custo de um imóvel fabricado a partir de uma impressora 3D é muito mais baixo que o modelo tradicional por diversos fatores. O primeiro é o gasto com material: como tudo é calculado meticulosamente, não há desperdício. Outro motivo é o custo da mão de obra, porque não é preciso ter muitos operários trabalhando na obra. Existe, ainda, o fator tempo.

"Estudos garantem que uma casa inteira pode ser 'impressa' em até 20 horas, o que, novamente, serviria para baixar ainda mais o custo como um todo", diz. Outro ganho é a resistência das construções que, segundo ela, deve ser muito maior, principalmente se for levada em conta a complexidade da obra.

"Se considerarmos o conjunto de todos esses fatores multiplicado por centenas de vezes (pense em um condomínio com muitas casas), teríamos uma redução de custos impressionante, o que poderia se refletir em casas com preços muito mais acessíveis", analisa Raquel. Ela acredita ainda que a tecnologia reduz os riscos de acidentes com trabalhadores, e de que quebra traz outro benefício - reduz o fator "perigo", que eleva o custo da obra.

No entanto, os trabalhadores não são totalmente dispensáveis. O sistema, segundo ela, ergue as paredes de concreto, enquanto que os operários ficam responsáveis pelo acabamento, o que torna o processo muito mais rápido, a exemplo de um projeto que, segundo Raquel, vem sendo desenvolvido no sul da Califórnia, nos Estados Unidos. Além disso, há outros testes como a criação de minicasas portáteis de quatro metros quadrados com a proposta de atender estudantes.

Raquel destaca que o diferencial das 'casas impressas' é que elas podem ser feitas de fibras de madeira, metal, plástico e até mesmo areia.

"A ideia é reduzir os custos da construção e acabar com o déficit de moradia no mundo. As 'casas impressas' também poderiam ser usadas para reconstruir áreas devastadas por desastres naturais, como as cidades brasileiras que sofrem com deslizamentos na época de chuvas".

A engenheira explica que ainda não existem exemplos de construções do tipo no Brasil, mas acredita que essa tecnologia certamente vai chegar - em não menos de dez anos. "Sabemos que a tecnologia caminha a passos largos no mundo e na engenharia civil também não é diferente". (Fernanda Bertola, O iário.com)

 

 

Sindicato das Indústrias da Construção do Estado de Mato Grosso - Sinduscon-MT
Avenida Historiador Rubens de Mendonça, 4.193, Centro Político Administrativo
Centro Sindical do Sistema FIEMT - Cuiabá-MT - CEP: 78049-940 - Tel.: (65) 3627-3020
Anuncie - Política de Privacidade
2014 -Todos os Direitos Reservados
V3 Agência Web